11 de mar de 2010

PIB brasileiro cai 0,2% em 2009, mostra IBGE

A economia brasileira fechou o ano de 2009 com uma queda de 0,2%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2008, a expansão da economia brasileira ficara em 5,1%.

A queda no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi a primeira desde 1992, quando a variação foi de -0,5%. O IBGE, no entanto, alterou a metodologia de cálculo do PIB em 1996, o que distorce a comparação.

Foto: Editoria de Arte/G1

No ano passado, o PIB brasileiro somou R$ 3,143 trilhões em valores correntes. Já o PIB per capita (renda por habitante) teve queda de 1,2% em volume, para R$ 16.414, resultado também do crescimento de 0,9% da população.

No quarto trimestre, o PIB brasileiro cresceu 2,0% na comparação com os três meses anteriores, no melhor resultado do ano. A indústria registrou o maior aumento, de 4,0%, seguida pelos serviços (0,6%) e pela agropecuária (0,0%). Os investimentos tiveram alta de 6,6%, enquanto o consumo das famílias cresceu 1,9%, e as despesas da administração pública tiveram expansão de 0,6%.

Frente ao quarto trimestre de 2008, houve crescimento de 4,3%, após três trimestres conscutivos de contração da economia nessa comparação.

Demanda

Em 2009, o consumo das famílias cresceu 4,1%, no sexto ano consecutivo de alta, e ajudou a conter uma queda mais acentuada no PIB. A despesa do consumo da administração pública também aumentou, em 3,7%. Já os investimentos, (formação bruta de capital fixo) tiveram queda de 9,9%.

No âmbito do setor externo, as exportações tiveram redução de 10,3%, e as importações, de 11,4%. Desde 2005 o desempenho em volume das exportações não era superior ao das importações.

A taxa de investimento em 2009 foi de 16,7% do PIB, a menor desde 2006 (16,4%), segundo os dados do IBGE. A taxa de poupança também caiu, para 14,6% do PIB, a menor desde 2001 (13,5%).

Setores

Entre os setores, apenas serviços teve crescimento em 2009, de 2,6%, inlfluenciado principalmente pelos resultados positivos para intermediação financeira e seguros (6,5%), outros serviços (5,1%), serviços de informação (4,9%).

A maior queda foi registrada na indústria: o setor "encolheu" 5,5% no ano passado, com quedas em todas as atividades. O pior desempenho foi o da indústria de transformação, que apontou queda de 7,0%, seguida pela construção civil (-6,3%), e pela eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (-2,4%).

A agropecuária também teve recuo acentuado, de 5,2%, devido à redução na produção de culturas importantes, como o trigo (-16,0%), o milho (-13,5%), o café (-12,8%) e a soja (-4,8%).

Queda 'positiva'

O dado de 2009, no entanto, não é tão ruim quanto parece. Com a crise global afetando o desempenho de quase todos os países, na média mundial, o PIB registrou queda de 0,8% no ano passado. Grandes economias, como Estados Unidos e Europa, viram seus resultados sofrerem forte contração em 2009. A maior economia do mundo ficou 2,4% menor. Na zona do euro, o recuo foi de 4,1%.


Fonte: G1

Nenhum comentário: