2 de jul de 2014

9 adolescentes que já são empreendedores de sucesso

Uma das frases mais repetidas no mundo corporativo diz que "não há idade para começar a empreender". De fato, a expressão não é das mais criativas, mas é verdadeira: até por isso, há uma série de jovens, no Brasil e no exterior, faturando alto desde cedo.
Confira a história de oito empresas – e nove empreendedores – que, apesar das dificuldades e da falta de experiência, atingiram o sucesso profissional. Há até adolescentes multimilionários. Confira: 
O investimento inicial de Isabella Weems foi de US$ 350 (Foto: Divulgação)
1) US$ 250 milhões aos 18 anos
A americana Isabella Weems, conhecida como Bella, começou a empreender porque queria comprar um carro. Para isso, em 2010, ela criou a Origami Owl, uma plataforma online de joias. O investimento inicial na Origami Owl foi de US$ 350, dinheiro ganho por Bella em trabalhos como babá. Ela começou a fazer joias e contou com a ajuda de família e amigos para vendê-las para conhecidos. No ano seguinte, já na internet, a Origami Owl começou a trabalhar com consultores, que compram as joias online e as revendem.

Em 2012, a Origami Owl faturou US$ 25 milhões. Para o ano seguinte, Bella estipulou uma meta: chegar a US$ 250 milhões. A Origami Owl ainda não divulgou dados sobre o desempenho no ano passado, mas é possível dizer que ela superou – e muito – o sonho de ter um automóvel.
2) "Empreender é brincar"
O representante brasileiro dessa lista é o alagoano Davi Braga, de 13 anos. Davizinho, como é chamado, é filho de João Kepler, investidor-anjo bastante conhecido no mundo das empresas de tecnologia. No caso de Davi, parece que a paixão pelo empreendedorismo foi contagiosa: ele é um dos cofundadores da List-It, um sistema de compra de material escolar.

Quem vê a história de Davi pode imaginar que ele não esteja aproveitando sua infância, já que começou nos negócios tão cedo. Mas para o menino, empreender é uma brincadeira tão divertida quanto jogar videogame ou bola. “Eu consigo fazer tudo com equilíbrio: estudar, brincar e empreender”, afirma. “Empreender é como brincar, é diversão.”
O objetivo é lançar o site do List-It oficialmente no ano que vem. Atualmente Davi está à procura de lojas parceiras da plataforma.  Também vale dar uma olhada na desenvoltura do menino em um pitch, realizado na Demo Brasil Nordeste, no começo do ano.
Julianne Goldmark e Emily Matson, fundadoras da marca Emi-Jay (Foto: Divulgação)
3) Paixão que vira negócio
As americanas Emily Matson, 18 anos, e Julianne Goldmark, 17, ainda estavam no colégio quando transformaram uma paixão por acessórios de cabelo em uma marca que faturou US$ 5 milhões em 2012. Apaixonadas por laços e elásticos de cabelo mostrados na série Gossip Girl, as meninas queriam comprar produtos semelhantes, mas encontraram com preços que consideraram muito altos.

Elas decidiram, então, comprar materiais e criar seus próprios acessórios. Um mês depois, as duas receberam uma ligação da revista Marie Claire e os acessórios da marca Emi-Jay se tornaram queridinhos da revistas de moda e beleza. Os acessórios custam entre US$ 5 e US$ 20. Em 2012, a empresa vendeu cinco milhões de unidades e dobrou esse número em 2013. O faturamento do ano passado ainda não foi declarado. Neste link, você encontra mais informações sobre Emily e Julianne.
4) Mercado de um bilhão de pessoas
O indiano Angad Daryani construiu seu primeiro robô com oito anos. Aos 13, ele já estava montando sua própria versão, com código-fonte aberto, da impressora 3D RepRap. Agora com 15 anos, ele criou a SharkBot, uma versão modificada da RepRap, que será a primeira impressora 3D caseira a ser comercializada na Índia – ou seja, Daryani tem um mercado de mais de um bilhão de pessoas.

O garoto acredita que a impressora será mais rápida e mais robusta impressora 3D do mundo, e poderá imprimir qualquer material, exceto metal. Um de seus protótipos já está sendo usado no Instituto Indiano de Tecnologia, em Mumbai. Saiba mais sobre Daryani aqui.
5) Dinheiro em rodinhas
O norte-americano Nicholas Pinto, de 14 anos, sempre gostou de andar de patinete. No entanto, ele tinha um problema: as rodinhas do seu brinquedo sempre quebravam. Enxergando no problema uma oportunidade, ele  resolveu criar modelos mais resistentes de roda. A ideia se transformou na LB Scoots, empresa criada em que faturou US$ 100 mil (R$ 225 mil) em 2012. A LB Scoots ainda não divulgou o faturamento registrado em 2013.

6) Uma ajuda para a irmã
A estudante americana Megan Grassel não encontrava sutiãs bonitinhos e apropriados para sua irmã mais nova, de 13 anos. Quando ela experimentava as peças, nenhuma servia bem e todas tinham muito apelo sexual. Então, ao invés de apenas ficar reclamando, ela criou sua própria marca, a Yellowberry, no ano passado.

A empresa de Megan, que faz sutiãs bonitinhos e confortáveis para meninas entre 11 e 15 anos, levantou US$ 41 mil em uma campanha no site de financiamento coletivo Kickstarter. Com o sucesso da campanha, que pedia US$ 25 mil, a primeira coleção foi toda vendida em poucos dias. 
Nick D'Aloisio (Foto: Divulgação)
7) Vendeu negócio e ganhou emprego do comprador
Nascido na Austrália e radicado no Reino Unido, Nick D'Aloisio, 18 anos, lançou no fim de 2011 o Summly, um dos organizadores de notícias mais famosos do mundo. Em março de 2013, vendeu a plataforma para o Yahoo!, por US$ 30 milhões. Hoje, D'Aloisio é funcionário integral do Yahoo!.

8) Lucro para pagar a faculdade
Aos 15 anos, Madison Robinson tem seu próprio negócio – uma empresa que fabrica chinelos para crianças – e já faturou seu primeiro US$ 1 milhão. Sua empresa, a FishFlops, foi criada em 2006, quando Madison tinha apenas oito anos de idade. Os chinelos, cujos desenhos são feitos pela própria garota, são inspirados em duas das suas paixões: pescar e nadar.

Além de chinelos, Madison vende camisetas e livros infantis que ela mesma escreve. Por orientação do pai, o lucro da empresa está sendo economizado para pagar a faculdade da menina. 

Nenhum comentário: